quinta-feira, 1 de setembro de 2016

As Estações



Lígia Pina

Verão

O sol é um braseiro...
a terra tórrida, rachada
Sertão...
Se não cai uma chuva
benfazeja
morre a vegetação
morrem os animais.
Homens, mulheres, crianças
mirradas, esqueléticas
abandona as terras, o lar
ou morrem de inanição.
E nós, os outonais da vida
sentimo-nos cansados,
moles da canícula
dessa estação.

Inverno

O céu se derrama...
lágrimas em turbilhão.
Tudo nublado, acinzentado...
Os pássaros, os insetos
buscam seus ninhos
E nós os outonais
da vida
buscamos o aconchego do leito
e o calor dos mais cálidos lençóis.

Primavera

A Terra resplandece...
As árvores e as campinas
vestem-se do multicolorido
de milhões de flores
numa linda visão
de múltiplos arcos-íris.
Os pássaros, os insetos deliciam-se
com o dúlcido néctar
licoroso.
E até nós, no outono da vida
sentimo-nos renascer
sob os fluídos da primavera,
circulando em nossas veias
em nossos corações.

Outono

Folhas amareladas
outras prateadas
caem das árvores em profusão
e são levadas pelo vento
em turbilhão...
Também, nós no outono da vida
somos folhas arrastadas
pelos vendavais da vida.
Desencontros, sofrimentos,
saudade da juventude.
Desilusão.

***